Faça uma busca

Google
 

terça-feira, 3 de junho de 2008

Mitologia 20: Artemis


Artemis, a donzela caçadora do arco de ouro, Senhora dos Animais Selvagens, era a irmã gêmea de Apollon. Seu nome já aparece nas tabuletas micênicas de Creta. Tem como animais simbólicos a ursa, o javali, a corça e a codorniz. Ao presenciar os sofrimentos de sua mãe Leto, prometeu permanecer sempre virgem. Artemis era vista como deusa da caça, mas também como provocadora de pragas e pestes. A associação com a Lua só se dará gradualmente numa fase mais tardia, quando acabará substituindo a deusa Selene, numa forma análoga à identificação de seu irmão Apolo com o Sol. Os romanos a assimilaram à sua deusa Diana.

Percorria as florestas rodeada de um cortejo de ninfas caçadoras, das quais exigia também a virgindade. Puniu impiedosamente as que violaram seu voto. Kallisto foi transformada num urso, por ter cedido às seduções de Zeus, enquanto Atalanta virou uma leoa por ter se unido ao herói Melanios. Também era implacável com aqueles que ousavam vê-la banhando-se. Transformou o jovem caçador Aktaion num cervo, que acabou despedaçado pelos seus próprios cães de caça. Órion, um gigante caçador da Beócia que se apaixonara por ela, morreu picado por um escorpião, embora outros afirmem que morreu com a cabeça crivada de flechas. Eneu, que esqueceu de sacrificar em seu nome, teve seu reino assolado por uma javali monstruoso.

Numa versão da lenda dos Alóades, é a responsável pela morte destes terríveis gigantes. Os Alóades eram dois gêmeos gigantescos, Otos e Ephialtes, filhos de Poseidon com a humana Iphimedia. Cresciam rapidamente e com nove anos já tinham dezessete metros de altura. Disse um oráculo que não poderiam ser mortos pelos deuses nem pelos homens. Empilharam montanhas para escalar o Olimpo, e desafiaram o deuses. Após muitos problemas para os deuses, Artêmis conseguiu sua morte através de um estratagema. Transformando-se numa corça, se lançou entre eles. Na ânsia de matar o animal, os Alóades atingiram um ao outro e morreram.
Arte: Fred Carvalho (1999)

Nenhum comentário: