Faça uma busca

Google
 

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Leituras 1

Do livro "Quando as Corporações regem o Mundo", de David C. Korten:
(...)
Também é essencial que nos libertemos do mito de que o crescimento econômico é a base do progresso humano.
(...)
Além disso, as maneiras ambientalmente mais opressivas de se satisfazer determinada necessidade são em geral aquelas que mais contribuem para o produto nacional bruto (PNB). Por exemplo, dirigir o carro por um quilômetro contribui mais para o PNB do que percorrer um quilômetro de bicicleta. Ligar um ar-condicionado, mais do que abrir uma janela. Consumir alimentos processados e embalados, mais do que usar alimentos naturais comprados a granel em recipientes reutilizáveis. Poderíamos dizer que o PNB, tecnicamente uma medida do fluxo do dinheiro na economia, poderia ser descrito também como uma medida da velocidade em que estamos transformando os recursos em lixo.
(...)

Um comentário:

Alia Iacta West disse...

Texto de abrir os olhos. O mero uso de recursos não pode ser sinônimo de riqueza; pelo contrário, pode refletir o mero desperdício de riqueza.