Faça uma busca

Google
 

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Evolução 83: Darwinopterus, o Elo Alado



Os Pterossáurios, os integrantes da extinta ordem Pterosauria eram um grupo extinto de répteis alados, que apesar da aparência, não são ancestrais das aves atuais, guardando apenas um parentesco remoto que também compartilham com os dinossauros e crocodilianos. Popularmente chamados de pterodáctilos, devido ao Pterodactylus descoberto em jazidas fósseis européias no século XIX, estes fascinantes animais voavam graças a asas membranosas estendidas em um dedo extremamente longo, diferente de pássaros e morcegos, por exemplo. Esta ordem, extinta no final do período Cretáceo, conta com mais de uma centena de espécies distribuída num período de mais de cem milhões de anos, e divide-se tradicionalmente em dois grupos, diferenciados por morfologias bem distintas.
Os Ranforrincóideos (Rhamphorhynchoidea) possuíam caudas longas e pernas curtas, cujos movimentos eram dificuldados por uma membrana (patágio) ligando a cauda à quinta falange do dedo do pé. São os mais primitivos e compreendem espécies desde o Triássico Superior até o começo do Cretáceo.
Os Pterodactilóideos (Pterodactyloidea) possuíam caudas curtas, e as pernas possuíam mais liberdade de movimento, já que a quinta falange não existe mais. Evoluíram a partir dos ranforrincóideos em algum momento do Jurássico Médio e rapidamente irradiaram-se em uma ampla diversidade de formas, tamanhos e hábitos alimentares. Alguns atingiram tamanhos gigantescos no final do Cretáceo, enquanto outros eram frugívoros, piscívoros e carnívoros.
Como um destes costumeiros percalços no entendimento das estratégias evolutibas, não se conhece nenhum intermediário entre ambos os grupos.
ISTO É, NÃO SE CONHECIA. ATÉ ESTE ANO.
Darwinopterus modularis foi o nome dado à mais nova espécie de pterossaúrio descoberta na Formação Tiaojishan, nos limites entre o Jurássico Médio e Superior chinês. Batizado em homenagem ao bicentenário de nascimento de Charles Darwin, este singular réptil alado mostra um belo exemplo de intermediário evolutivo. Sua cauda longa e pernas atadas a uma membrana de pele o tornavam inepto para um rápido deslocamento no chão, fazendo logicamente supor que se tratava de um predador aéreo, caçando talvez pterossáurios menores (como seu contemporâneo, o ranforrincóideo Changchengopterus pani) e pequenos dinossauros alados como o Anchiornis huxleyi. Combinando um corpo com características ranforrincóideas e uma cabeça que já prenuncia o surgimento dos pterodatilóideos, o Darwinopterus é uma das grandes descobertas do ano.

Lü, J., Unwin, D. M., Jin, X., Liu, Y. & Ji, Q. 2009. Evidence for modular evolution in a long-tailed pterosaur with a pterodactyloid skull. Proceedings of the Royal Society B doi:10.1098/rspb.2009.1603

Nenhum comentário: