Faça uma busca

Google
 

sábado, 31 de julho de 2010

Evolução 173: Chromogisaurus novasi

Foi descoberto nos níveis mais antigos da Formação Ischigualasto, na Argentina, os restos fossilizados de um novo dinossauro, batizado de Chromogisaurus novasi.
A partir dos dados coletados da análise da recém-descoberto criatura, classificada como um dos mais antigos sauropodomorfos (Sauropodomorpha) conhecidos, os autores chegaram a um esquema filogenético com o agrupamento dos gêneros Guaibasaurus, Agnosphitys, Panphagia, Saturnalia and Chromogisaurusem uma família batizada de Guaibassaurídeos (Guaibasauridae) , com Chromogisaurus e Saturnalia, pelas suas características em comum, reunidos em uma subfamília batizada de saturnalíneos (Saturnaliinae). Além disso, o dinossauro primitivo Eoraptor aparece posicionado como o grupo-irmão dos neoterópodes (Neotheropoda) e os herrerassaurídeos (Herrerasauridae) ficando de fora do clado dos Eussaurísquios (Eusaurischia).

Ezcurra, M. D. 2010. A new early dinosaur (Saurischia: Sauropodomorpha) from the Late Triassic of Argentina: a reassessment of dinosaur origin and phylogeny. Journal of Systematic Palaeontology 8: 371-425.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Evolução 172: Faxinalipterus, o pterossauro mais antigo do mundo era gaúcho

A mais antiga e mais primitiva espécie de pterossáurio (lagartos alados) pode ser brasileira. Os restos foram encontrados na Formação Caturrita, no Triássico do Rio Grande do Sul, e a criatura recebeu o nome de Faxinalipterus minima.

Bonaparte, J. F., Schultz, C. L., and M. B. Soares. 2010. Pterosauria from the Late Triassic of Southern Brazil, pp. 63-71 in Bandyopadhyay, S. (ed.), New Aspects of Mesozoic Biodiversity, Lecture Notes in Earth Sciences 132, Springer-Verlag Berlin/ Heidelberg, DOI: 10.1007/978-3-642-10311-7

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Evolução 171: serpentes cretáceas na Hungria

Restos de serpentes fósseis do Período Cretáceo encontradas na Hungria permitiram identificar a existência da família extinta das Madtsoídeas (Madtsoiidsae) nos terrenos maastrichtianos da Formação Hat,eg. A família já era conhecida na Europa por restos na Espanha e França, mas tratava-se de um grupo de cobras de grande porte, superficialmente similares às jibóias atuais, característico dos territórios do supercontinente austral de Gondwana, a partir de muitas espécies descritas na Austrália, América do Sul, Índia e Madagascar. A descoberta na Hungria reforça a convicção de que houve um fluxo migratório entre a África e a Europa no início do Cretáceo Superior, reforçada pela analogia com a distribuição de outros grupos, como dinossauros, aves e tartarugas, por exemplo.